Eu digo Não ao R7



Vi uma campanha hoje bastante interessante: um blog que é literalmente a cópia da cópia. O Rouba 7 existe com um propósito bem específico: boicotar o site de notícias da Record, o tal R7 (que me recuso até mesmo a linkar aqui). A TV do Bispo, em mais uma de suas cópias descaradas às Organizações Globo, lançou o tal portal como cópia mal feita do portal G1. O layout, seções, tudo inspirado no site dos Marinho, inclusive o nome, que segue a mesma lógica letra + número.

O blog Rouba7 tem uma justificativa bem interessante o boicote: "Você gosta de cópias? Nós não".

Participe dessa campanha. Não deixe que a cópia tome o lugar da criatividade. Pior, não deixe que pessoas bandidas e inescrupulosas usem o dinheiro de fiéis para fazer vingança barata.

Veja o link no banner que está aqui no blog ou clique aqui.

Não ao site da Record!

Jennifer Rostock no Brasil


@wesleytalaveira - Quem disse que só de cerveja quente vive a Alemanha? A banda alemã de pop rock Jennifer Rostock, formada em 2007 apartir do trabalho de Jennifer Weist e Johannes “Joe” Walter-Müller é sucesso absoluto no país.

Vindos cada um de experiências musicais de diferentes, Jennifer e Joe conheceram em 2005 Werner Krimme, que mais tarde se tornaria produtor da banda, em um workshop de compositores. Depois que Joe e Jennifer terminaram o ensino médio em 2006, eles se mudam para Berlim para prosseguir na carreira musical. Lá eles conheceram também os furutos membros da banda, Alex, Christoph e Baku.

O nome da banda foi baseado em um equívoco cometido pelos empregados dos estúdios Planet Roc em Berlim, que repetidamente escreviam notas endereçadas à “Jennifer Rostock”. Jennifer depois explicou, “Jennifer foi direcionado a mim, e Rostock, porque eles se lembraram que nós somos da costa, e a cidade de Rostock provavelmente era a única que os caras do estúdio conheciam”. Este título de trabalho acabou sendo adotado pela banda como nome oficial.

Em 2007, o grupo apresentou o primeiro concerto como “Jennifer Rostock” e assinaram um contrato de gravação com a Warner Music.

Em outubro, a banda alemã estará no Brasil, com shows em Porto Alegre-RS e São Paulo-SP nos dias 05 e 06 de outubro, respectivamente. Essas datas, estão, inclusive, no site oficial da banda.

Se tudo der certo, o Novas Ideias fará uma cobertura exclusiva do show. Torçam por nós!

E, para os que ainda não conhecem o trabalho de Jennifer Rostock, veja aqui o clip de uma das princiais músicas da banda, Du willst mir an die Wäsche


São Paulo está No Limite



@wesleytalaveira - Ninguém assume: prefeitura, governo do Estado, empresas, pessoas. Mas é a mais pura verdade: São Paulo está no limite de sua capacidade. A cidade não comporta mais ninguém. Não há espaço para todo mundo por aqui. Não há casa, emprego, transporte público. Má administração? Não só isso. É falta de espaço mesmo!

Hoje o metrô de SP mostrou isso. Um curto-circuito num vagão da linha 1 Azul, mais precisamente na Estação Sé simplesmente parou as zonas norte e sul da cidade. Uma verdadeira multidão se formou nas plataformas, nas catracas e o metrô operou com intervalos enormes de tempo, chegando a gastar até 30 minutos nas plataformas hoje.

A cada carro quebrado numa avenida de SP isso fica constatado também. Basta um simples carro de passeio dar defeito numa avenida de SP para o trãnsito parar por completo, prejudicar outras vias e outros transtornos.

Quantas pessoas em SP procuram emprego? Há emprego para todas? Não, não há! Não adianta dizer que falta mão de obra qualificada, pois se assim fosse não existiriam tantas pessoas qualificadas e desempregadas. Falta emprego sim. Por que? Não tem como dar emprego para todos.

Quem usa transporte público de SP vai concordar comigo quando digo que a cidade está saturada. Os ônibus de SP, em horário de pico, mais parecem carregamento de gente. quem aí nunca levou uma esbarrada num ônibus em SP? Não há coletivos para todos!

Ou seja, São Paulo caiu num circulo sem solução: faltam ônibus para todos, porém mais ônibus nas ruas significaria um aumento absurdo no trânsito já caótico de SP. A solução é metrô? Tá, mas o metrô, dada sua complexidade, é um meio de transporte caro, o que faz muita gente evitar usá-lo. Voltam essas pessoas para a rua, para usar ônibus, ou carros. E se empregarmos todos os desempregados de SP? Mais gente para usar ônibus, carros, metrô e etc.

Em SP, vale a seguinte situação: quem já está estabelecido, se mantenha. Quem não se estabeleceu ainda, que busque outro lugar.

Novas Ideias News



Morre a atriz Dirce Migliaccio
Ela está internada desde o dia 8 de setembro.
Atriz estava com pneumonia e infecção urinária.

Do G1, no Rio

A atriz Dirce Migliaccio, de 76 anos, morreu na manhã desta terça-feira (22), no Rio. As informações são da da Secretaria municipal de Saúde. Ela estava com pneumonia e uma infecção urinária.


Desde a última sexta-feira (18), a atriz estava internada no Hospital Álvaro Ramos, na Taquara, em Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio. Ela faleceu às 9h.


Segundo a secretaria, Dirce estava se recuperando da pneumonia, mas estava com a saúde bastante debilitada e ainda apresentava um quadro de infecção urinária.



Internada desde 8 de setembro

A atriz tinha sido internada com pneumonia no dia 8 de setembro na enfermaria do Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, mas foi transferida para o Hospital Municipal Álvaro Ramos.


Em abril deste ano, a atriz também foi hospitalizada depois de sofrer um acidente vascular cerebral (AVC).


Emília
Em 2004, durante a gravação de um especial da TV Globo, ela teve um encontro com a atriz Isabelle Drumond, que na época interpretava a irreverente boneca de pano.


Dirce Migliaccio também ficou conhecida no papel de uma das irmãs cajazeiras da novela “O Bem Amado”, na TV Globo.

Mais música boa: Fernanda Takai



Pra quem gosta de música boa, indico também a talentosíssima Fernanda Takai, cujas músicas parecem ter vida própria, com a propriedade de penetrar o mais profundo de nós, indo ao encontro de nossos medos, traumas e desejos.

Sim, a madrugada me faz mais poético. É minha companheira, assim como diz Fernanda na música abaixo, "Diz Que Fui Por Aí"




Se alguém perguntar por mim
Diz que fui por aí
Levando um violão debaixo do braço
Em qualquer esquina eu paro
Em qualquer botequim eu entro
Se houver motivo
É mais um samba que eu faço
Se quiserem saber se volto
Diga que sim
Mas só depois que a saudade se afastar de mim
Tenho um violão para me acompanhar
Tenho muitos amigos, eu sou popular
Tenho a madrugada como companheira
A saudade me dói, o meu peito me rói
Eu estou na cidade, eu estou na favela
Eu estou por aí
Sempre pensando nela

Alice nas Águas

A fotógrafa russa Elena Kalis levou Alice no País das Maravilhas para o fundo do mar. O resultado não podia ser outro: algo fantástico! Veja:

Os Bispos calaram mais uma boca

Qual a melhor maneira de evitar críticas? Tentar "andar na linha" sempre? Não, comprar os que te criticam. Assim tem feito a equipe executiva da Record - leia-se bispos da Universal.


O mais novo comprado, quer dizer, contratado da emissora é o jornalista Daniel Castro, com mais de 18 anos de Folha. Castro vai cuidar de programas da antecipadamente falida Record News, além de ter um canal no portal R7, a nova cópia malfeita dos bispos.

Daniel Castro decidiu trocar toda sua credibilidade jornalística para entrar numa briga mesquinha e ridícula entre Record e Folha. A emissora, mais uma vez defendendo os ideais dos bispos, decidiu atacar o jornal Folha de São Paulo e todo o grupo Folha da Manhã, usando da ma-fé que lhe é de costume.

E assim, a exemplo de Ana Paula Padrão, Milena Ceribelli e Gugu, mais um vendeu sua alma - e sua carreira - ao Bispo Macedo.

Sistema de ensino falido



As propagandas do sistema de ensino público em São Paulo mostram a escola dos sonhos: uma parceria da Prefeitura da capital com o Governo do Estado proporcionou a implantação de ensino técnico nas escolas municipais de SP. Isso é mostrado como um grande avanço na rede pública. Outro grande avanço é a quantidade de livros oferecida nas escolas estaduais, além das reformas de prédios e contratação de novos professores. Tudo está resolvido no sistema público de ensino, então, OK? Não!

Quem estuda nas escolas públicas, ou quem estudou, como eu, sabe muito bem que a realidade é totalmente diferente: um sistema de ensino sucateado. Por culpa dos governos? Também, mas a população tem uma grande parcela de culpa. Professores mal preparados e com a mínima vontade de lecionar, que comparcem nas escolas apenas para marcar ponto e receber seu ordenado, funcionários sem o mínimo interesse pelo bem-estar dos alunos e o pior: alunos que pretendem fazer de tudo na escola, menos estudar. mas quando digo tudo, é TUDO mesmo.

Uma escola da zona norte de São Paulo caiu no noticário por algo inacreditável: uma aluna de 13 anos foi obrigada a fazer sexo oral com dois alunos numa sala de aula, além de ter sofrido outros abusos por parte dos alunos. Todos os três estão na quinta série do Ensino Fundamental (o gínásio, para os outros estados).

Em outra escola, na cidade de Araçariguama, interior de SP, duas alunas brigaram em frente à escola, com agressões físicas fortes, e uma delas era incentivada pela mãe (sim, pela mãe), que reagia com gritos ordenando que a filha também "batesse". "Mete o pé que nem eu te ensinei. Vai. Mete soco na cara", era o que a mãe gritava, além de impedir que alguém separasse a briga. "Se apanhar aqui vai apanhar em casa também". Segundo investigação, a briga foi motivada por um ex-namorado.

E podemos dizer que o sistema de ensino é bom em SP? Não! Por causa do Governo? Talvez não. A presença da Ronda Escolar inibiria muito ações como essas, mas não impede.

Infelizmente, hoje a escola pública é local de aprender criminalidade e perversidades. Pasmem com oque vou declarar, mas considero a maioria das escolas públicas hoje uma filial da antiga FEBEM.

Analisem os fatos e tirem suas conclusões.

Tiffany



Tiffany é uma adolescente de 17 anos que está começando agora a descobrir a vida e as pessoas. Diferente das garotas com quem convive, é muito ligada a família, e adora passar horas ao lado do pai, um micro-empresário durão, mas que, a seu jeito, mostra amor à filha. Faz o tipo da garota classe média: estuda numa escola particular, trabalha com o pai à tarde e sai com amigas pra fazer compras no shopping. Nada muito extravagante, mas uma vida considerável.

Do outro lado da história, Eduardo é um garoto de 17 anos que mora na periferia de São Paulo. Trabalha como vendedor na loja do pai de Tiffany, uma perfumaria de importados. Eduardo é o tipo bom filho, que ajuda nos deveres da família, lava louça, limpa a casa, mas seu desejo de aceitação o leva a buscar companhias que nem sempre são as melhores.

Na qualidade de “filha e herdeira do chefe” (imagem essa que Tiffany odeia saber que tem) Seu Nestor resolve colocar a filha para administrar uma de suas lojas, em mais um de suas diversas tentativas de fazer da filha uma jovem empreendedora. É aí que a garota passa a ter contato com Eduardo, contato esse que logo migra para uma relação forte, envolvente, mas nada tranqüila, o que transforma Tiffany precocemente em mulher ao iniciá-la no mundo do amor, do sexo e das perdas dolorosas que a vida reserva a todos nós.

Tiffany mexe com tabus da sociedade brasileira, como o esforço em tratar pobres de periferia como vítimas do sistema, ou ainda como a falta de capacidade não assumida de muitos pais frente à adolescência de seus filhos.

Tiffany é, enfim, a história do amor certo que encontrou as pessoas erradas no local e momento errados.


Em breve, aqui no Novas Ideias!

O Hino Nacional



O "mico Vanusa" - quando Vanusa errou totalmente a letra do Hino Nacional num evento na Assembleia Legislativa de São Paulo - levantou uma questão até a pouco tempo evitada no Brasil: a letra de nosso Hino Nacional. É constrangedor ver brasileiros errarem a letra de seu hino, mas cantarem sem gaguejar a letra do hino do seu time. E a TV do Bispo, numa atitude antinacionalista, desrespeitosa e criminosa, sugere que a letra do Hino Nacional deveria ser "alterada" para ficar "mais fácil" ao brasileiro.

O Hino é a expressão máxima de amor à pátria. E a letra de nosso Hino Nacional não deixa a desejar a nenhuma país do mundo. Enaltece nosso país de uma forma bela, poética e majestosa como poucos países latino-americanos fazem.

Mas o amor à pátria exposto no Hino não encontra coro nos brasileiros. Brasileiro não tem amor ao seu país, apens sabe que por um acaso nasceu aqui e tudo bem, fazer o que? É impressionante que os brasileiros não tenham o mínino de patriotismo, nem para se orgulhar de nossa história marcada por lutas, ditaduras e paternalismos baratos, que ainda hoje se repetem. Mas, fazer o que?

E, para comemorar nossa "Independência" (ou para dar uma força à querida Vanusa), segue abaixo a letra de nosso Hino Nacional Brasileiro:


Parte I

Ouviram do Ipiranga as margens plácidas
De um povo heróico o brado retumbante,
E o sol da liberdade, em raios fúlgidos,
Brilhou no céu da pátria nesse instante.
Se o penhor dessa igualdade
Conseguimos conquistar com braço forte,
Em teu seio, ó liberdade,
Desafia o nosso peito a própria morte!
Ó Pátria amada,
Idolatrada,
Salve! Salve!
Brasil, um sonho intenso, um raio vívido
De amor e de esperança à terra desce,
Se em teu formoso céu, risonho e límpido,
A imagem do Cruzeiro resplandece.
Gigante pela própria natureza,
És belo, és forte, impávido colosso,
E o teu futuro espelha essa grandeza.
Terra adorada,
Entre outras mil,
És tu, Brasil,
Ó Pátria amada!
Dos filhos deste solo és mãe gentil,
Pátria amada,
Brasil!

Parte II

Deitado eternamente em berço esplêndido,
Ao som do mar e à luz do céu profundo,
Fulguras, ó Brasil, florão da América,
Iluminado ao sol do Novo Mundo!
Do que a terra, mais garrida,
Teus risonhos, lindos campos têm mais flores;
"Nossos bosques têm mais vida",
"Nossa vida" no teu seio "mais amores."
Ó Pátria amada,
Idolatrada,
Salve! Salve!
Brasil, de amor eterno seja símbolo
O lábaro que ostentas estrelado,
E diga o verde-louro dessa flâmula
- "Paz no futuro e glória no passado."

Mas, se ergues da justiça a clava forte,
Verás que um filho teu não foge à luta,
Nem teme, quem te adora, a própria morte.
Terra adorada,
Entre outras mil,
És tu, Brasil,
Ó Pátria amada!
Dos filhos deste solo és mãe gentil,
Pátria amada,
Brasil!

Letra: Joaquim Osório Duque Estrada
Música: Francisco Manuel da Silva

Atualizado ortograficamente em conformidade com Lei nº 5.765 de 1971, e com
art.3º da Convenção Ortográfica celebrada entre Brasil e Portugal. em 29.12.1943.

A Indepêndencia encomendada


Hoje o Brasil comemora a Dia da Independência, dia em que fomos declarados separados de Portugal por Dom Pedro I às margens do Rio Ipiranga.

Para quem não está lembrado ou fugiu das aulas de história, é bom revisar que o Brasil era uma colônia de Portugal e que, por causa do desejo popular de ser um país assim como o eram seus vizinhos latino-americanos, Dom Pedro I declarou o Brasil independente de Portugal no dia 7 de setembro de 1822.

Mas todos sabemso que o Brasil é mestre em dar soluções forjadas para seus problemas, e isso vem desde nosso s tempos primitivos. Para quem não sabe, Dom Pedro I era filho do rei de Portugal, D. João VI, que estava morando no Brasil. Por causa de alguns movimenos que estavam acontecendo no reinado luso, D. João voltou à Portugal, mas antes de ir deixou uma orientação ao filho D. Pedro: "use a coroa antes que algum aventureiro o faça". E assim D. Pedro nos declarou independentes. O filho do Rei de Portugal.

Que independência foi essa? Um movimento encomendado pelo próprio rei luso e comandado por seu filho, príncipe de Portugal. Isso me lembra muito o presidente da república que vai sair do cargo mas quer deixar no cargo sua principal assistente, para assim continuar comandando por trás das cortinas.

Harper's Island e Californication no SBT

O SBT trás à TV aberta ótimas séries de sucesso nos EUA: Californication e Harper's Island.


Em Californication, Hank Moody (Duchovny) é um escritor que se esforça para conseguir criar sua filha adolescente, Becca (Madeleine Martin, "Law & Order: Special Victims Unit") e continua apaixonado por sua ex-namorada Karen (Natascha McElhone, "Revelations"), enquanto tenta relançar sua carreira após ter um bloqueio criativo.

Sua obsessão com a honestidade e seu comportamento auto-destrutivo — bebidas, drogas e relacionamentos — estão ao mesmo tempo destruindo e enriquecendo sua carreira.

No elenco também estão Evan Handler ("Sex and the City", "Hot Properties"), como o agente e o melhor amigo de Hank, e Madeline Zima ("The Nanny"), como uma mulher com quem Hank passa uma noite e que irá mudar a vida dele para sempre.

Em Harper's Island, Amigos e familiares passam uma semana na ilha de Harper, para o casamento de Henry e Trish. A história é contada pela melhor amiga do noivo, Abby Mills. Sete anos antes, um serial killer, John Wakefield matou seis pessoas, sendo uma delas mãe de Abby. Mas agora, com a chegada dos convidados do casamento na ilha, alguém está seguindo as pegadas de Wakefield, matando os hóspedes, um por um. Apenas alguns irão sobreviver.

Harper's Island é um lançamento da CBS. A série foi lançada em 9 de abril de 2009, e finalizou dia 11 de julho de 2009. Harper's Island teve apenas uma temporada com 13 episódios. Um ou mais personagens são mortos a cada episódio. Todas as questões foram respondidas em seu último episódio, o 13º.

A série foi gravada em Vancouver, Canadá. Os atores e atrizes não revelaram as mortes de seus personagens em entrevistas pois só recebiam o script no dia da gravação.

Californication vai ao ar aos domingos às 0:00, após Programa Silvio Santos, e Harper's Island começa dia 14 de setembro, às 21:15, depois da linha de shows SBT Show

Campanha anti-Aids na Alemanha causa polêmica


Uma campanha publicitária contra a Aids veiculada na Alemanha tem levantado polêmica: usando a imagem do ditador nazista Adolf Hitler, a campanha faz uma chamada agressiva contra o vírus, comparando-o ao ditador quando diz: "A Aids é uma assassina em massa. Proteja-se".



Além da peça impressa, foi veiculado um vídeo de 30" que mostra um casal mantendo relação sexual À meia luz, inspirado em filmes pornô light, onde se mostra num segundo plano que o homem que mantém a relação é o ditador Hitler, encerrando com a mesma frase de efeito.

Apesar de genial, a ideia causa grande repulsa num povo marcado por anos de repressão nazista. Como foi um período que o alemão prefere esquecer, uma propaganda dessas causa grande polêmica.

"Estou preparado para a morte" Entrevista do Vice-Presidente José Alencar para a Veja


José Alencar deu início, na semana passada, a mais um tratamento contra o câncer "Um dia desses me disseram que, ao morrer, iria encontrar meu pai, falecido há mais de cinquenta anos. Aquilo me emocionou profundamente. Se for para me encontrar com mamãe e papai, quero morrer agora"



Na semana passada, o vice-presidente da República, José Alencar, de 77 anos, deu início a mais uma batalha contra o câncer. É o 11º tratamento ao qual ele se submete na tentativa de controlar o sarcoma, um câncer agressivo e recidivo, diagnosticado pela primeira vez em 2006. A abordagem de agora consiste em quatro sessões semanais de quimioterapia. A químio foi decidida pelos médicos uma vez que o câncer de Alencar, com vários nódulos na região do abdômen, não respondeu a uma medicação ainda em fase experimental, em testes no hospital MD Anderson, centro de excelência em pesquisas oncológicas, nos Estados Unidos. Desde o início desse tratamento, em maio, o sarcoma cresceu cerca de 30%. A químio é uma tentativa de conter o alastramento do tumor. Visivelmente abatido, quase 10 quilos mais magro, Alencar recebeu a repórter Adriana Dias Lopes na sala 215 do Centro de Oncologia do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, enquanto passava pela primeira sessão de químio. O encontro durou cerca de uma hora. Nos primeiros dez minutos, o vice-presidente comeu dois hambúrgueres e tomou um copo de leite. Alencar chorou duas vezes. Ao falar de seus pais e da humildade, a virtude que, segundo ele, a doença lhe ensinou.

Como o senhor está se sentindo?
Está tudo ótimo: pressão, temperatura, coração e memória. Tenho apetite, inclusive – só não como torresmo porque não me servem. O meu problema é o tumor. Tenho consciência de que o quadro é, no mínimo, dificílimo – para não dizer impossível, sob o ponto de vista médico. Mas, como para Deus nada é impossível, estou entregue em Suas mãos.

Desde quando o senhor sabe que, do ponto de vista médico, sua doença é incurável?
Os médicos chegaram a essa conclusão há uns dois anos e logo me contaram. E não poderia ser diferente, pois sempre pedi para estar plenamente informado. A informação me tranquiliza. Ela me dá armas para lutar. Sinto a obrigação de ser absolutamente transparente quando me refiro à doença em público – ninguém tem nada a ver com o câncer do José Alencar, mas com o câncer do vice-presidente, sim. Um homem público com cargo eletivo não se pertence.

O senhor costuma usar o futebol como metáfora para explicar a sua luta contra a doença. Certa vez, disse que estava ganhando de 1 a 0. De outra, que estava empatado. E, agora, qual é o placar?
Olha, depois de todas as cirurgias pelas quais passei nos últimos anos, agora me sinto debilitado para viver o momento mais prazeroso de uma partida: vibrar quando faço um gol. Não tenho mais forças para subir no alambrado e festejar.

Como a doença alterou a sua rotina?
Mineiro costuma avaliar uma determinada situação dizendo que "o trem está bom ou ruim". O trem está ficando feio para o meu lado. Minha vida começou a mudar nos últimos meses. Ando cansado. O tratamento que eu fiz nos Estados Unidos me deu essa canseira. Ando um pouco e já me canso. Outro fato que mudou drasticamente minha rotina foi a colostomia (desvio do intestino para uma saída aberta na lateral da barriga, onde são colocadas bolsas plásticas), herança da última cirurgia, em julho. Faço o máximo de esforço para trabalhar normalmente. O trabalho me dá a sensação de cumprir com meu dever. Mas, às vezes, preciso de ajuda. Tenho a minha mulher, Mariza, e a Jaciara (enfermeira da Presidência da República) para me auxiliarem com a colostomia. Quando, por algum motivo, elas não podem me acompanhar, recorro a outros dois enfermeiros, o Márcio e o Dirceu. Sou atendido por eles no próprio gabinete. Se estou em uma reunião, por exemplo, digo que vou ao banheiro, chamo um deles e o que tem de ser feito é feito e pronto. Sem drama nenhum.

O senhor não passa por momentos de angústia?
Você deveria me perguntar se eu sei o que é angústia. Eu lhe responderia o seguinte: desconheço esse sentimento. Nunca tive isso. Desde pequeno sou assim, e não é a doença que vai mudar isso.

O agravamento da doença lhe trouxe algum tipo de reflexão?
A doença me ensinou a ser mais humilde. Especialmente, depois da colostomia. A todo momento, peço a Deus para me conceder a graça da humildade. E Ele tem sido generoso comigo. Eu precisava disso em minha vida. Sempre fui um atrevido. Se não o fosse, não teria construído o que construí e não teria entrado na política.

É penoso para o senhor praticar a humildade?
Não, porque a humildade se desenvolve naturalmente no sofrimento. Sou obrigado a me adaptar a uma realidade em que dependo de outras pessoas para executar tarefas básicas. Pouco adianta eu ficar nervoso com determinadas limitações. Uma das lições da humildade foi perceber que existem pessoas muito mais elevadas do que eu, como os profissionais de saúde que cuidam de mim. Isso vale tanto para os médicos Paulo Hoff, Roberto Kalil, Raul Cutait e Miguel Srougi quanto para os enfermeiros e auxiliares de enfermagem anônimos que me assistem. Cheguei à conclusão de que o que eu faço profissionalmente tem menos importância do que o que eles fazem. Isso porque meu trabalho quase não tem efeito direto sobre o próximo. Pensando bem, o sofrimento é enriquecedor.

Essa sua consideração não seria uma forma de se preparar para a morte?
Provavelmente, sim. Quando eu era menino, tinha uma professora que repetia a seguinte oração: "Livrai-nos da morte repentina". O que significa isso? Significa que a morte consciente é melhor do que a repentina. Ela nos dá a oportunidade de refletir.

O senhor tem medo da morte?
Estou preparado para a morte como nunca estive nos últimos tempos. A morte para mim hoje seria um prêmio. Tornei-me uma pessoa muito melhor. Isso não significa que tenha desistido de lutar pela vida. A luta é um princípio cristão, inclusive. Vivo dia após dia de forma plena. Até porque nem o melhor médico do mundo é capaz de prever o dia da morte de seu paciente. Isso cabe a Deus, exclusivamente.

O senhor se deu conta da comoção nacional que tem provocado?
Não há fortuna no mundo capaz de retribuir o carinho dos brasileiros. Sou um privilegiado. Você não imagina a quantidade de manifestações afetuosas que tenho recebido. Um dia desses me disseram que, ao morrer, iria encontrar meu pai, falecido há mais de cinquenta anos. Aquilo me emocionou profundamente. Se for para me encontrar com mamãe e papai, quero morrer agora. A esperança de encontrar pessoas queridas é um alento muito grande – e uma grande razão para não ter medo do momento da morte.

O senhor se tornou mais devoto com a doença?
Sou de família católica, mas nunca fui de ir à missa. Nem agora faço isso. Quando a coisa aperta, rezo o pai-nosso. Ultimamente, tenho rezado umas duas, três vezes ao dia.

Se recebesse a notícia de que foi curado, o que faria primeiro?
Abraçaria a Mariza e diria: "Muito obrigado por ter cuidado tão bem de mim".

Promoção "Eu Faço o Filme do Timão"


Dia 1° de setembro o Timão comemora 99 anos. E o Novas Ideias resolveu comemorar de uma forma diferente: levando os corinthianos ao cinema. É a promoção "Eu faço o Filme do Timão". Crie uma frase sobre o Timão com até 140 caracteres e envie via Twitter ou email. a frase mais criativa leva um ingresso para assistir "Brüno". Não é sorteio, é apenas usar a criatividade e mandar bem.

Mostre seu amor ao Timão!!!

REGULAMENTO
DA PROMOÇÃO:
Essa é uma promoção exclusiva e independente do blog Novas Ideias. Não tem qualquer patrocínio ou ligação com o Corinthians F.C. ou com qualquer torcida organizada;

A promoção tem início no dia 01 de setembro e estende-se até o dia 10 de setembro;

A promoção não exige cadastro, pagamentos nem compra de qualquer produto. Para participar, basta criar uma frase sobre o Corinthians com até 140 caracteres e enviar ao email weslleybt@gmail.com ou via Twitter, para o profile @wesleytalaveira;

DO CRITÉRIO DE ANÁLISE
O critério de análise das frases consistirá em:
1 - A frase que melhor traduz amor ao time
2 - O uso do humor
3 - Tolerância - não incitar ódio contra outros times
3 - Bom uso da língua portuguesa

DO PRÊMIO
O prêmio consiste em 1 (um) ingresso para o filme "Brüno", que pode ser usado em qualquer rede de cinemas que o esteja exibindo, exceto as salas do grupo Araújo, do Grupo Estação, Cinemrk Iguatemi São Paulo e as salas Vip do Cinemark Cidade Jardim.

O prêmio será enviado via correio ao participante, num prazo máximo de 10 dias após o resultado final da promoção.

DUVIDAS
Dúvidas podem ser dirimidas via email, para
weslleybt@gmail.com, ou beatrizvasconcelos1985@gmal.com

Caminhos para a segurança


Artigo semanal de Marina Silva para a Folha de S. Paulo

TERMINOU ONTEM a 1ª Conferência Nacional de Segurança Pública, após quatro dias de debates sobre segurança e cidadania. No Brasil, o enfrentamento do crime e da violência se resume, basicamente, a agravar as penas, criar novos tipos penais, construir mais prisões e aumentar os efetivos policiais. Tudo se passa como se as dinâmicas violentas e delituosas pudessem, de fato, retroceder frente à dissuasão da força e da pena. Mas o que ocorre é muito diferente: a punição, pelo Estado, alcança como regra apenas os responsáveis pelos delitos mais comuns à exclusão social.

Após alguns anos sem liberdade, os encarcerados retornam ao convívio social. Uma parte significativa deles -cujas penas jamais foram individualizadas, a quem nunca se ofereceu a chance da profissionalização, sequer da alfabetização- terá adquirido habilidades e feito relações que os levam à reincidência agravada. Outra parte, mesmo disposta a não mais delinquir, terá poucas chances de inserção profissional, pelo estigma do cárcere, sendo como que empurrada à sobrevivência ilegal. Os presídios são, por isso mesmo, uma forma muito cara de, numa amarga ironia, tornar as pessoas piores e a sociedade mais insegura.
Setores críticos à visão tradicional têm insistido que violência e crime são subprodutos de uma ordem social injusta. Daí deduzem ser preciso enfrentar as causas desses problemas a partir de mudanças sociais. Há uma verdade pela metade nesta ideia. A desigualdade social, de fato, tensiona a sociedade e estimula o crime, mas é apenas um dos fatores de risco para crime e violência.

Se esses fenômenos são subprodutos da exclusão social, como explicar que só uma pequena parte dos mais pobres envereda pelo crime? E por que, na outra ponta, há também delinquentes entre os mais abastados? Penso que é necessário superar abordagens unilaterais. Nenhuma sociedade moderna pode subestimar a importância das polícias, nem deixar de responsabilizar os que violam a lei.

Na democracia, as polícias são regradas pelo direito e seu êxito depende, sobretudo, do grau de proximidade e de confiança construído com a população. De outra parte, a sociedade deverá exigir do Estado políticas públicas fundadas em diagnósticos, orientadas não "para a ocorrência" -como se tornou comum no modelo reativo de policiamento-, mas por resultados. Sobretudo, será preciso que União, Estados e municípios assumam suas responsabilidades quanto à prevenção, colocando o foco nos fatores de risco para o crime e a violência. Não basta investir mais, é preciso investir melhor.

Globusão!

Começou hoje em SP a transmissão da programação da TV Globo nos ônibus coletivos do transporte público. 300 ônibus começaram hoje em caráter experimental a transmitir programas como SPTV e a novela Paraíso, que foram editadas em um formato especial para o ônibus, sem áudio.

Uma portaria publicada sábado no Diário Oficial da Cidade autoriza as transmissões de mídia televisiva em tempo real dentro dos ônibus de São Paulo. O serviço já era testado há cerca de um mês, mas todo material veiculado tinha de ser enviado antes à São Paulo Transporte (SPTrans), empresa responsável por gerenciar os serviços de ônibus na capital paulista.

Algo bastante interessante, bem melhor que a programação antiga da TVÔnibus, que consistia apenas em receitas de bolo de aniversário e vídeos de pegadinhas. Só espero que a Record não invente de entrar nos ônibus também.

As empresas também deverão disponibilizar à SPTrans, via link de internet, a programação diária veiculada em tempo real ou enviar com antecedência de cinco dias úteis qualquer tipo de material gravado. Apesar de o áudio ser proibido, a portaria do secretário municipal dos Transportes, Alexandre de Moraes, autoriza a empresa veiculadora a disponibilizar sistema de áudio com utilização de fone de ouvido, por meio de tecnologia bluetooth ou frequência modulada específica. Coisa bem evoluída!

Até no meu bairro, aqui no do mundo, tinha ônibus com programação da Globo!

Campanha Ficha Limpa: Uma iniciativa transparente


@wesleytalaveira - Estava eu hoje andando pelo Conjunto Nacional, na Av. Paulista quando vi um estande interessante: a Campanha Ficha Limpa, que está coletando assinaturas para exigir do Congresso Nacional o complemento de Lei exigido na Constituição, que prevê que políticos com ficha suja (julgados e condenados réus) não possam ser candidatos novamente.

Achei muito interessante a iniciativa e fui buscar mais informações. Para minha surpresa, o Movimento de Combate a Corrupção Eleitoral (MCCE) já coletou mais de 1 milhão de assinaturas em todo o Brasil, e precisa de masi 300 mil para ter o número mínimo necessário e enviar o projeto à Brasilia.

Por isso, vai aqui minha contribuição: visite o site do Movimento, baixe a ficha, assine e envie por correio ao Congresso Nacional. Não é possível preencher on line, pois o Congresso exige a assinatura do eleitor. Ou procure um dos postos de coleta de assinturas. Em SP, eu conheço o do Conjunto nacional, onde estive hoje.

Entre em contato via email, ou acesso o blog da campanha. Vale a pena apoiar!

SIGA O BLOG NOVAS IDEIAS